O Arquiteto do Esquecimento - Marcos Bulzara

"Chorar é tornar menor a profundidade do sofrimento"
Willian Shakespeare


Antes de começar essa resenha, quero deixar um recado ao autor desse livro:

"Senhor Marcos Bulzara,
o senhor me deve um litro de soro fisiológico para que eu possa me recuperar da extrema desidratação que sofri  de tanto chorar lendo esse livro."

Sério mesmo, peeps! Chorei muito com esse livro, porque há muito tempo não lia nada que me tocasse tão profundamente como a história de Doran Visich. Mas não é aquele chorar triste, que te deixa pra baixo, pois quando a gente termina a história a gente chora por perceber o tamanho da lição de vida presente nessas páginas.

Doran Visich é um judeu polonês que nasceu em 1925 num vilarejo próximo a Gniezno. Ele vivia na zona rural de uma das regiões mais belas da Polônia, com seus pais e dois irmãos. Eles levavam um vida muito humilde e com muito trabalho, porém rica em amor. Doran estuda na escola rural do vilarejo e se destaca por se extremamente inteligente, sem saber que essa inteligência vai mudar sua vida de forma definitiva. Nessa fase, nos comove a enorme amizade entre Doran e sua irmã caçula, Constantine.

No ano de 1940, o vilarejo é vítima de uma emboscada nazista. Doran vê os soldados alemães assassinarem sua família e é levado a um campo de concentração, abandonando Constantine escondida em uma árvore. No campo, ele é cobaia no teste de um medicamento poderoso, capaz de apagar a memória de quem o usa.  O número tatuado em seu braço - 312565 - o ajuda a se lembrar quem ele é, a manter a cabeça erguida e suportar os sofrimentos com estoicismo. Em 1944 Doran é transferido para Auschwitz e ele conhece Gunther Gohart, um alemão que percebe a imensa capacidade intelectual de Doran e o ajuda a sobreviver no campo. 

Teminada a guerra, Doran vai trabalhar em segredo com o professor Augusto Millen no desenvolvimento do D-45 Amnol, a Droga do Esquecimento, mas o professor é assassinado e Doran e Isabel (filha de Millen) se vêem envolvidos nas disputas pela Guerra Fria entre EUA e URSS, ambos interessados em controlar a nova droga.

A história continua cheia de ação e muita emoção, não vou contar mais porque não vou soltar spoillers (mais?!?, sim tem muito mais!), então se quiserem saber sobre a saga de Doran Visich, leiam O Arquiteto do Esquecimento. Só adianto uma coisa: ele sofre! E como ele sofre! Mesmo porque ele vive por 113 anos! E quando você que ele não tem mais nada a perder, que tudo de ruim que poderia acontecer já aconteceu, eis que ele leva mais uma pancada da vida.

Mas acho que a grande lição desse livro é justamente esse sofrimento todo que Doran é vítima, porque ele poderia se revoltar, se tornar uma pessoa amarga e mesquinha, mas não! Ele continua sendo um grande homem com um coração maior ainda. Tanto que o livro termina com ele praticando um ato de amor estupendo, que quase me faz afogar nas próprias lágrimas!
Me fez lembrar de uma frase de Jean-Paul Sartre que dizia que não importa o que as pessoas fazem com você, mas sim o que você faz com o que as pessoas fazem com você. Ou seja, não importa o que te acontece e sim a maneira como você reage a esses acontecimentos.
Entenderam porque eu disse que é um livro que te faz chorar mas de um choro bom?
Recomendadíssimo!

Essa resenha faz parte do Book Tour do Selo Brasileiro.


Outras resenhas do Selo Brasileiro:


B-jusssssssss! ♥
;-p


Comente com o Facebook:

8 comentários :

  1. Muito interessante o assunto do livro, principalmente por falar de nazismo. Quero ler ):

    ResponderExcluir
  2. Oi Nina!
    Até hoje não li nenhuma resenha falando mal desse livro, o que só me deixa com mais vontade de ler.
    Adorei sua resenha, quero ler o livro com certeza!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. ei Nina, esse livro parece ser bão mesmo, tenho muita vontade de ler apesar de não gostar de livro que faz a gente chorar, kkk.
    beijos.

    ResponderExcluir
  4. Ei Nina,

    Esta foi a primeira resenha que li deste livro que me deixou realmente com muita vontade de ler. Me lembrou um pouco a história de Apátrida e também aquele "A chave de Sarah" que eu amei.

    Só tenho um porém, o capa feinha rsrs.

    bjoo

    ResponderExcluir
  5. OI!

    Essa é a segunda resenha que leio sobre o livro hj e estou cada vez mais interessanda. Eu adoooro o tema! Acho fascinante e chorona como sou, sei que vou me derreter.

    Eu qro!

    BjoO
    Pri
    Entre Fatos e livros

    ResponderExcluir
  6. Nossa Vih, agora definitivamente vou colocar esse livro na minha lista de leituras!!
    \o
    Eu AMO livros que se passam na época do nazismo, segunda guerra, holocausto. Todos os livros que têm esse cenário me fazem chorar incrível! E detalhe que cada autor consegue trazer uma história diferente dentro desses cenários né??

    Nossa, gostei muito da resenha!! Obrigada pela dica! ;)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Estou aqui para te convidar a participar de um Book Tour que estou organizando lá no blog. Comecei um projeto para ajudar a divulgar os autores nacionais e seria muito legal se você pudesse participar. O link do post é: http://migre.me/4Es2n

    HUGS =D!!!
    #BlogEP

    ResponderExcluir
  8. Olá, Nina!

    Nossa, eu vou ler esse livro. Estou muito nervosa! Livros acerca de II Guerra me fazem passar mal. Espero poder aguentar!
    Excelente resenha!!

    Abraços.

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados