Mulheres de Cinzas - Mia Couto


Couto, Mia. Mulheres de Cinzas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. 344 páginas. (Trilogia As Areias do Imperador, v. 01). Skoob.

Sinopse

“Primeiro livro da trilogia As Areias do Imperador, Mulheres de cinzas é um romance histórico sobre a época em que o sul de Moçambique era governado por Ngungunyane (ou Gungunhane, como ficou conhecido pelos portugueses), o último dos líderes do Estado de Gaza - segundo maior império no continente comandado por um africano.
Em fins do século XIX, o sargento português Germano de Melo foi enviado ao vilarejo de Nkokolani para a batalha contra o imperador que ameaçava o domínio colonial. Ali o militar encontra Imani, uma garota de quinze anos que aprendeu a língua dos europeus e será sua intérprete. Ela pertence à tribo dos VaChopi, uma das poucas que ousou se opor à invasão de Ngungunyane. Mas, enquanto um de seus irmãos lutava pela Coroa de Portugal, o outro se unia ao exército dos guerreiros do imperador africano.
O envolvimento entre Germano e Imani passa a ser cada vez maior, malgrado todas as diferenças entre seus mundos. Porém, ela sabe que num país assombrado pela guerra dos homens, a única saída para uma mulher é passar despercebida, como se fosse feita de sombras ou de cinzas.Ao unir sua prosa lírica característica a uma extensa pesquisa histórica, Mia Couto construiu um romance belo e vívido, narrado alternadamente entre a voz da jovem africana e as cartas escritas pelo sargento português.”

Quando se fala em literatura africana, Mia Couto é uma sumidade! Reconhecido e aclamado, é o autor mais traduzido do Moçambique e busca em seu texto recriar o língua portuguesa moçambicana. E mesmo com toda esse fama, eu vergonhosamente nunca tinha lido nada dele e vi em Mulheres de Cinzas a chance de conhecer sua famosa narrativa.

O livro fala da invasão e dominação portuguesa ao Moçambique e das dificuldades que os europeus tiveram em decretar as terrar africanas como “Terras da Coroa”. Isso porque, o Moçambique já possuía um imperador, Ngungunyane, um grande líder que estava disposto às últimas consequências para defender suas terras. Em meio a esse conflito, está o vilarejo de Nkokolani, onde vive Imani. Filha de um líder local, ela foi educada por religiosos e tem um português impecável, por isso, quando sargento português Germano fica aquartelado no local, Imani é escolhida para ser sua intérprete.

Assim que o Sargento Germano chega ao vilarejo, ele conquista a todos por parecer ser diferente dos outros portugueses, por não tratar os africanos com desprezo ou repulsa. Pelo contrário, ele parece se importar com o povo e traz a promessa de melhoras e proteção, e até mesmo Imani se encanta com os bons modos do moço. O problema é quem nem sempre somos o que parecemos ser.

A partir daí, Mia Couto cria uma história profunda e envolvente, e que conseguiu ser completamente diferente de tudo o que já li. Primeiro, porque apesar do que parece, o enredo não foca no romance, ele vai muito além de um casal marcado pela guerra. Ele fala de um povo que enfrenta as agruras de ser considerado inferior e que tenta manter viva sua cultura e suas crenças. E esse é o ponto do livro que mais me conquistou: conhecer mais da cultura africana, dos mitos e tradições e de sua maneira peculiar de encarar a vida.

Os personagens são muito reais e verossímeis, de uma maneira que se encaixa perfeitamente na obra. Digo isso porque a história se passa em um tempo e lugar muito distantes do meu, mas me senti tão adaptada ao enredo e à narrativa, que tudo fez muito sentido para mim, como se eu também pertencesse àquele tempo e àquele lugar. Eu consegui entender todas as atitudes e decisões de Imani, de seu povo, e até dos portugueses, porque consegui me ambientar na história e me por no lugar deles. Isso Graças a narrativa única de Mia Couto, que mais parece poesia do que prosa.

“Os imperadores têm fome de terra e os seus soldados são bocas devorando nações. Aquela bota quebrou o Sol em mil estilhaços. E o dia ficou escuro. Os restantes dias também. Os sete sóis morriam debaixo das botas dos militares. A nossa terra estava a ser abocanhada. Sem estrelas para alimentar os nossos sonhos, nós aprendíamos a ser pobres. E nos perdíamos da eternidade. Sabendo que a eternidade é apenas o outro nome da Vida.” (p.15)

Chamar um texto desses de poesia me parece muito pouco, porque Mia Couto transcendeu em muito o conceito. Em sua narrativa, ele conseguiu transcrever um momento histórico muito delicado sem arrogância e sem apontar culpados e inocentes. Ele conseguiu por um português e uma africana frente a frente, para que cada um contasse seu lado da história, a assim, não criou mocinhos nem vilões.

Enfim, é uma história única, tocante e inesquecível. Para quem está acostumado a ler apenas livros americanos, europeus ou brasileiros, uma dica: dê mais atenção ao africanos pois existe muita literatura além. Literatura capaz de nos tirar da zona de conforto e repensar velhos conceitos arcaicos que nos foram incutidos e que repetimos sem nenhuma reflexão e nos impede de conhecer um mundo novo, que está muito além de nossas fronteiras limitadas.

O Autor

Mia Couto nasceu em 1955, na Beira, Moçambique. É biólogo, jornalista e autor de mais de trinta livros, entre prosa e poesia. Seu romance Terra sonâmbula é considerado um dos dez melhores livros africanos do século XX. Recebeu uma série de prêmios literários, entre eles o Prêmio Camões de 2013, o mais prestigioso da língua portuguesa, e o Neustadt Prize de 2014. É membro correspondente da Academia Brasileira de Letras.

Avaliação (5/5)






B-jussssss! ♥
;-p

9 comentários:

  1. Oi, já vou falar muito de Mia Couto, mas nunca tive oportunidade de ler alguma obra. Um livro que não foca apenas no romance mas em outras situações é sempre uma excelente obra a ser lida.
    Precisamos sim conhecer mais autores nesse mundão.

    Beijinhos, Helana ♥

    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  2. Mia Couto, como não amar? E sim, ler livro de autores de outros países é uma boa, li ele por acaso, quando uma professora da universidade me indicou ele, e simplesmente me encantei com a leitura.
    https://nerdbookblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  3. Nunca li o livro, mas ele parece realmente interessante, um maneira de mergulhar em uma cultura diferente. Ótima resenha ;)
    http://pegueumaxicarablog.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    já ouvi falar de Mia Couto, mas não estou lembrando dessa obra, nunca li qualquer livro dela e sinceramente não faz muito meu gênero, mas indicaria para amigas que gostam do gênero. Gostei muito da sua resenha, parabéns. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Yvens!
    Que pena que você não leu nada do Mia Couto, ele é um autor excepcional. Tenho certeza de que se experimentasse vc iria se apaixonar pelo estilo dele.
    Que bom que você gostou da resenha. Me dediquei muito à ela, e é bom saber que está sendo lida com tanto critério.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Catharina Mattavelli11 de março de 2016 16:05

    Oiiie
    nunca li nada do autor mas tenho bastante curiosidade e gostaria de arriscar em algum momento pois ele é bem famoso pelo que escreve, bela resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nina, eu li um livro do Mia Couto na época da faculdade e também fiquei encantada pela escrita dele, é uma pena que não seja algo tão divulgado aqui.
    Pelo que você disse esse também é um ótimo livro.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  8. Li uma obra que também era um romance em um momento marcante da história e simplesmente amei, por isso me interessei por essa história. Não conhecia nada do autor mas já quero ler essa obra.
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  9. Olá, não conhecia essa obra, mas depois de ler a resenha fiquei bem interessada, já anotei a dica!

    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p