Vamos Juntas? - Babi Souza


SOUZA, Babi. Vamos juntas? Rio de Janeiro: Galera Record, 2016. 144 páginas. Skoob.

Sinopse
“Toda mulher já se sentiu insegura na hora de sair sozinha na rua. O risco de ser abordada, perseguida ou assediada é uma realidade. Mas, um dia, uma moça chamada Babi Souza teve uma ideia simples e revolucionária: da próxima vez em que você estiver sozinha, olhe para os lados. Pode ter outra mulher andando na mesma direção. Por que não vão juntas?
Logo, o movimento Vamos Juntas? conquistou moças em todo o Brasil, se tornando um símbolo de união feminina e feminismo, na defesa por direitos iguais entre homens e mulheres. Aos poucos, muitas mulheres mudaram sua forma de enxergar o dia a dia e a moça ao lado.
Além de dados sobre o feminismo, que mostram como ainda há tanto a ser conquistado, este guia traz relatos de mulheres que aprenderam, junto ao Vamos Juntas?, a enxergar companheiras umas nas outras. A se unir, ao invés de rivalizar.”

Todos os dias, mulheres enfrentam situações de risco em momentos que deveria ser absolutamente corriqueiro. Voltar do trabalho, escola ou faculdade à noite; andar por ruas, parques e praças escuras sozinha; usar o transporte público lotado. Apesar de serem situações que não deveriam representar perigo, infelizmente elas trazem medo e insegurança às mulheres, principalmente para as que moram nas grandes cidades. Foi dessa observação que que nasceu o movimento “Vamos Juntas?”, que propõe às mulheres que se aproximem e andem juntas pela rua para coibir a ação de criminosos.



A ideia surgiu quando a jornalista Babi Souza se viu andando sozinha pelo centro de Porto Alegre às 20h. No momento em que percebeu que estava assustada, ela começou a refletir em como os homens se sentem muito mais seguros e mais livres nas ruas à noite do que as mulheres. Ela então criou o movimento Vamos Juntas? nas redes sociais, estimulando a parceria entre as mulheres e rapidamente ganhou muita força, a ponto de Babi ter sido considerada uma das feministas mais influentes de 2015.

É claro que as mulheres também cometem crimes, mas não se pode negar que o maior medo que uma mulher tem é da violência de gênero e da violência sexual e até do próprio assédio, que a autora chama de “doses homeopáticas de violência sexual”. E por isso, a proposta do movimento é de se tentar, se não resolver ao menos amenizar a questão por meio da sororidade. No Brasil o termo ainda é muito novo (nem existe no dicionário da língua portuguesa), mas a ideia é de que as mulheres tem tanta capacidade de se unir a outras mulheres, de criarem laços até com desconhecidas, quanto os homens desmistificando a ideia de que somos rivais e que gostamos de competir umas com as outras. Essa ideia de rivalidade feminina é uma construção social e, para comprovar, no livro Babi faz uma análise das princesas Disney, principalmente das mais clássicas, que não tem amigas. É sempre ou a madrasta (que representa medo) ou a rival.



Babi também fala sobre a importância de se livrar do machismo institucionalizado, e que grande parte do medo e da insegurança que as mulheres sentem nas ruas vem desse tipo de machismo, que é tão arraigado que chega a ser visto com naturalidade até pelos mais esclarecidos. O livro é cheio de relatos e o que mais impressiona neles é que mesmo a mulher sofrendo tanto com a violência de gênero, ela ainda se culpa.

Além de tudo isso que citei, o livro é cheio de ilustrações e tem um texto de fácil entendimento. Ou seja, é perfeito para presentearmos adolescentes e ajudar a mudar um pouco as concepções machistas que embutem nas cabeças das meninas. E não deixa de ser uma leitura interessante até mesmo para as mais velhas, para conseguirem quebram velhos conceitos e preconceitos.



A autora

Babi Souza vive em Porto Alegre e se formou em Jornalismo pela PUC-RS em 2013. Trabalhou em diversos veículos de comunicação passando também por agências digitais. Por acreditar que o colaborativismo e o amor ao próximo são "a saída" para o mundo, criou em junho de 2015 o movimento Vamos juntas? e, em outubro de 2015, a Bertha Comunicação, uma empresa focada em impulsionar negócios de mulheres através da comunicação digital.

Avaliação (5/5)






B-jusssssss! ♥
;-p

Comente com o Facebook:

8 comentários :

  1. Já conhecia o projeto na fanpage do facebook e sempre o achei espetacular. Saber que foi feito um livro, com todo o primor desde a capa até sua diagramação, é indicativo do sucesso do projeto! Além da capa e diagramação, o essencial é o conteúdo e neste livro parece ótimo!

    ResponderExcluir
  2. Oi BFF,
    Já faz um tempo que estou ouvindo falar desse projeto e confesso que sou uma das vítimas do medo, quando saio para trabalhar no escuro ou quando chego da faculdade de noite. Evito sair na rua sozinha depois das 19, e se pudesse não sairia nunca, mas enfim, o projeto é muito bacana e precisa ser espalhado, ainda não coloquei ele em prática ou porque a vergonha não deixa, ou porque normalmente as mulheres andam tão rápido de noite que facilmente as perco de vista, mas sou a favor de mulheres mais unidas, não só nisso, mas em tudo que nos afeta.
    Beijokas

    ResponderExcluir
  3. Oie, tudo bem?

    Já fui vítima de vários tipos de assédio. Medo? Claro que tenho, mas prefiro levantar a cabeça e continuar e continuar e continuar.

    Não abro mão do meu direito de ir e vir, a hora que quiser e com a roupa que escolher.

    Acontece que sou da geração solitária, a geração que acredita que todo mundo nasce sozinho e morre sozinho, o meio do caminho pode até ser feito com outras pessoas, mas não é uma companhia que vai evitar abordagem ou assédio ou violência. Acho a iniciativa louvável, mas ao mesmo tempo me lembra das chaperones.

    Gosto de companhia, mas continuo seguindo sozinha pelas ruas da minha vida.

    Beijos
    Bel Góes

    ResponderExcluir
  4. Oi Nina, sua linda, tudo bem?
    Não conhecia esse projeto ainda. Sabe, essa é uma questão muito interessante, mas eu não vejo pelo lado do machismo, eu vejo pelo lado físico mesmo, é um fato, somos mais frágeis do que os homens. É claro que existem suas exceções. E por sermos o lado mais fraco, sempre estaremos vulneráveis. A violência é sempre praticada por alguém que se aproveita do mais fraco, por isso as mulheres geralmente são alvos mais fáceis. Precisamos de apoio, de práticas de prevenção e segurança e com certeza de mais amor para mudar a mentalidade e o comportamento de pessoas que fazem mal às outras, seja pelo gênero ou por qualquer outro motivo.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  5. Olá, esse livro parece ser muito fofo...já vi algumas resenhas por ai e curti bastante, quero ler também!

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Olá... eu achei a ideia desse livro e o movimento super legal... gostaria de visto isso realmente acontecendo... as veze volto tarde da faculdade e as vezes sozinha na rua... olhando para os lados morrendo de medo de que algo aconteça e só percebo que não respirava completamente quando passo da portaria de onde moro... mas acredito que se cada uma olhar pro lado e andarem juntas isso pode ajudar e talvez esse medo possa diminuir... porque realmente não somos rivais... temos que nos unir para acabar com toda essa violência... Xero!

    ResponderExcluir
  7. Não vou dizer que não tenho medo... Claro que tenho! Tomo todas as precauções que acho necessárias e vou em frente.

    Acho legal essa ideia de "vamoa juntas", da mesma forma que gosto da ideia de carona coletiva para economizar combustível.

    Não jogo a culpa no agredido, mas também sigo a filosofia de mamãe "se estou na rua, meio dia, e sou atingida por uma bala perdida... O perigo veio até mim. Se estou no meio de um morro não pacificado, 3h da manhã, fazendo festa na rua e sou atingida por uma bala perdida... Eu fui até o perigo"

    ResponderExcluir
  8. Hey, Nina.
    Acompanho a página há alguns meses e fiquei bem empolgada quando vi o lançamento do livro. Ele está na minha listinha sim ou claro? haha
    Enfim, é lamentável que mulheres tenham que se questionar mil vezes sobre a roupa que usarão ou o rumo que tomarão quando estão sozinhas na rua. Eu mesma DETESTO andar sozinha até mesmo no bairro onde moro, que é considerado "tranquilo".
    Mulheres que se culpam por estarem usando uma roupa curta quando são assediadas, homens e mulheres que concordam com estupro em determinados casos.... a sociedade tá pelo avesso!

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados