Mestre das Chamas - Joe Hill


HILL, Joe. Mestre das Chamas. Tradução Fernanda Abreu. São Paulo: Editora Arqueiro, 2017.592 p. Título original: The fireman. Skoob.

Sinopse
“Ninguém sabe exatamente como nem onde começou. Uma pandemia global de combustão espontânea está se espalhando como rastilho de pólvora, e nenhuma pessoa está a salvo. Todos os infectados apresentam marcas pretas e douradas na pele e a qualquer momento podem irromper em chamas.
Nos Estados Unidos, uma cidade após outra cai em desgraça. O país está praticamente em ruínas, as autoridades parecem tão atônitas e confusas quanto a população e nada é capaz de controlar o surto.
O caos leva ao surgimento dos impiedosos esquadrões de cremação, patrulhas autodesignadas que saem às ruas e florestas para exterminar qualquer um que acreditem ser portador do vírus.
Em meio a esse filme de terror, a enfermeira Harper Grayson é abandonada pelo marido quando começa a apresentar os sintomas da doença e precisa fazer de tudo para proteger a si mesma e ao filho que espera.
Agora, a única pessoa que poderá salvá-la é o Bombeiro – um misterioso estranho capaz de controlar as chamas e que caminha pelas ruas de New Hampshire como um anjo da vingança.
Do aclamado autor de A estrada da noite, este livro é um retrato indelével de um mundo em colapso, uma análise sobre o efeito imprevisível do medo e as escolhas desesperadas que somos capazes de fazer para sobreviver.”

Uma das minhas metas para 2017 é ampliar e diversificar minhas leituras, sair da zona de conforto dos romances fofinhos e desbravar novos estilos e autores. Pode parecer estranho ler isso em um blog literário, mas em minha defesa devo dizer que sou uma pessoa extremamente medrosa e impressionável e vencer isso não é tarefa fácil para mim.
Mas estou realmente motivada a trazer mais diversidade para o Quem Lê e por isso resolvi me aventurar com Joe Hill, que nunca li mas que traz sobre os ombros a responsabilidade de ser filho do mestre do terror, Stephen King, e vocês sabem o que falam sobre os filhos de peixe né?

Em Mestre das Chamas, Hill fala sobre uma pandemia que tomou conta do planeta. Os infectados apresentam estranhas marcas pretas e douradas pelo corpo e podem entrar em combustão a qualquer momento, o esporo é chamado popularmente de Escama do Dragão. Assim,o mundo está tomado pelo pavor e pelas chamas que se alastram graças ao número cada vez maior de pessoas pegando fogo. Políticos, médicos e cientistas não sabem o que provocou o surto e nem o que fazer para controlá-lo, assim, a melhor opção é evitar todo e qualquer contato com os infectados. O pânico faz com que a população se esconda em casa e alguns organizam “Bondes da Cremação” patrulhas que saem às ruas para exterminar qualquer um possa ser portador do vírus.

"Tem duas infecções forade controle. Uma delas é a Escama do Dragão. A outra é o pânico."

Nesse cenário de terror, a enfermeira Harper Grayson tenta fazer o melhor para ajudar as pessoas, até que começa a apresentar os sintomas da Escama do Dragão. Jakob, seu marido, fica furioso por ela ter trazido a doença para casa, principalmente agora que ela está grávida. Os dois tinham feito uma promessa de que, caso adquirissem a doença,não iriam esperar pegar fogo para morrer, eles iriam se matar juntos. Mas Harper acredita que o bebê pode nascer livre do esporo e por isso não quer mais cumprir a promessa e se vê obrigada a fugir de casa e do marido, que parece ter tanto medo da doença que perdeu a sanidade. Nesse momento ela é salva pelo Bombeiro, um homem misterioso que consegue controlar as chamas sem ser consumido por elas.

John Rockwood, o Bombeiro, a leva para o Acampamento Wyndham, um acampamento de verão abandonado onde um vivem pessoas que, apesar de não conseguirem controlar as chamas com ele, desenvolveram o Brilho, uma técnica para acalmar o esporo e não entrarem em combustão, assim vivem em harmonia. Harper acredita que enfim encontrou um lugar seguro para ter seu bebê mas vai perceber que nem tudo é o que parece ser.

"Os responsáveis por tomar as decisões sempre conseguem justificar atos terríveis em nome de um bem maior. Um massacre aqui, uma pequena tortura ali. Torna-se moral fazer coisas que seriam imorais se fossem atos de um indivíduo normal."

Eu amei! Mas já aviso que não é o terror que eu esperava ser. É um thriller recheado de suspense e um pouco de ação, mas nada que me tirasse o sono. O que mais me chamou a atenção foi a discussão que Hill trouxe sobre o que é moral ou não e em que circunstâncias. Num mundo ruindo, onde a grande preocupação é a sobrevivência, é possível justificar atos terríveis em nome de um bem maior? Nessa sociedade apocalíptica que vemos se formar no desenrolar da história,os padrões de normalidade e moralidade estão sendo reconstruídos e a humanidade, ao invés de ressurgir melhorada parece focada em cometer os mesmos erros.

Outro ponto abordado foi a questão da consciência de grupo, algo que é realmente preocupante nos dias de hoje. Muitas vezes parece ser bem mais fácil seguir o grupo do que ter ideias próprias. É bem mais simples e cômodo se houver um cabeça pensando por todos e guiando a todos como um rebanho. Mais uma vez fica a pergunta: o que o indivíduo é capaz de fazer em nome do “bem comum”?

Nesse contexto, Harper é uma personagem no mínimo intrigante. Muito generosa e gentil, ela tem Mary Poppins como inspiração e há momentos que chega a ser surpreendente que ela consiga sobreviver num mundo tomado pela crueldade. Mas ela consegue lutar pela vida e manter seus princípios éticos de maneira impressionante. Ela é um balde de doçura em um mundo sombrio e dominado pela terror, e a única coisa que ela pretende é viver o suficiente para entregar seu filho à alguém que posso criá-lo em segurança. Agora adicione a isso isso um herói quebrado e cheio de traumas e problemas, um Bombeiro que parece ser a única pessoa capaz de ajudá-la a encontrar um refúgio, se é que existe um. Com o perdão do trocadilho, vemos surgir um casal que é pura combustão!

A única coisa que me incomodou no livro foi narrativa muito descritiva e arrastada, o que me fez demorar um pouco mais do que normal para ler. Foram muito diálogos e cenas que eu não vi muito sentido ou necessidade de serem transcritos. Mas a originalidade do enredo e um final surpreendente fazem valer a pena cada minuto a mais que passei lendo. Recomendo muito, e já vou dizendo que quero ler muitos mais thrillers e suspenses! Amei a experiência!

O Autor

Joe Hill é autor dos sucesso Nosferatu, Amaldiçoado e A estrada da noite, presentes nas listas de mais vendidos do The New York Times e lançados no Brasil pela Editora Arqueiro, e da premiada coletânea de contos Fantasmas do século XX.Ganhou também o prêmio Eisner pela série de quadrinhos em seis volumes Locke & Key. Mora em New Hampshire.

Avaliação (5/5)






B-jusssssss! ♥
;-p


Comente com o Facebook:

2 comentários :

  1. Leilane C. Martins V.29 de agosto de 2017 10:24

    Olá, tudo bem?

    Não conhecia o autor e a obra, mas me interessei bastante. Não é meu gênero favorito, mas é o tipo de história que arriscaria a leitura. Anotei a dica e espero em breve ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, jana, que bom ver que você curtiu esse livro. Eu nunca li nada do joe, mas estou cheia de vontade de ler essa obra, pois gosto de coisas que tratem de epidemias e essas coisas. Gostei de saber das discussões que o livro traz. É uma pena que você tenha achado arrastado em alguns momentos, mas que bom que o resto compensou.

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados