A indomável Sofia - Georgette Heyer


HEYER, Georgette. A indomável Sofia. Tradução de Neide Câmera Loureiro.Rio de Janeiro: Editora Record, 2016. 406 páginas. Título original: The grand Sophy. Skoob.

Sinopse:
“Sofia Stanton-Lacy é alegre, impulsiva e de uma franqueza desconcertante, características que não combinam com o que se espera de uma mulher em sua posição na sociedade londrina do início do século XIX. Educada durante as viagens de seu pai, órfã de mãe, ela chega à casa de sua tia em Berkeley Square para derrubar as convenções e surpreender a todos com seus modos independentes e sua língua afiada. E Sophy parece ter chegado no momento certo: seus primos estão com muitos problemas.

O tirânico Charles está noivo de uma jovem tão maçante quanto ele, já Cecilia está apaixonada por um poeta, e Hubert tem sérios problemas financeiros. A prima recém-chegada decide então ajudar a todos com sua determinação e impetuosidade, e acaba enfrentando agiotas, roubando os cavalos de seu primo e atirando de raspão em um honrado cavalheiro. Embora sejam sempre mirabolantes e arriscados, seus planos sempre dão certo e tudo parece estar sob seu controle. O que ela não espera, porém, é que seu primo Charles, que aparentemente não vê a hora de arrumar um marido para ela, de repente passa a enxergá-la com outros olhos…”

Sempre que me apaixono por alguma coisa, o meu desejo é mergulhar de cabeça nisso e descobrir tudo o que é possível. E é por isso que vocês estão tendo essa enxurrada de resenhas de Romance de Época por aqui, porque eu simplesmente quero conhecer tudo a respeito do gênero, rsrsrs.
E nas minhas pesquisas por aí, li muitos elogios a Georgette Heyer e algumas pessoas inclusive chegam a compará-la com a diva Jane Austen (mas qual autora de Romance de Época que não é?). Foi por isso que, quando vi A indomável Sofia no catálogo da Record, não pensei duas vezes antes de solicitá-lo.

A primeira coisa que chamou minha atenção nesse livro foi a narrativa de Heyer, que é bem diferente do que estou acostumada. A autora possui um escrita elegante, e até meio rebuscada, e com muitos diálogos. Isso me atraiu muito pois possibilitou que eu construísse as personalidades dos personagens durante a leitura, sem que me fosse entregue de bandeja.

Outro item que precisa elogiado é o trabalho de pesquisa que Georgette Heyer fez para escrever o livro. Fica claro que ela conhece muito bem a rotina de uma família do século 19 e seus valores sociais, e isso transparece em seus personagens. O melhor exemplo disso é Sophy, que embora seja uma mulher diferente, entende como funciona a sociedade e sabe que precisa respeitar os limites que a rodeia.

Falando em Sophy, posso dizer com certeza que ela é uma das melhores heroínas que já conheci. Ela é divertida, espirituosa, muito inteligente e não tem papas na língua. Ela é uma personagem prática e um pouco manipuladora, e ao mesmo tempo em que é muito passional, o seu romance com Charles é bem sutil. Na verdade é tão sutil que o grande foco está em como Sofia vai se envolvendo na vida de todos e não na sua vida amorosa. E como ela se envolve! A garota tem o dom de se meter na vida de todos e tentar resolver seus problemas, e o melhor é que por mais mirabolantes e loucos que seus planos pareçam, eles sempre funcionam.

Quanto ao romance, é importante salientar que ele é bem sutil. A indomável Sofia foi escrito na década de 50 e não tem aquelas cenas de amor tórridas que estamos acostumados a ver nos demais livros do gênero. Então se você ler buscando grandes declarações de amor e cenas eróticas, provavelmente vai se decepcionar. Eu particularmente gostei muito do livro ser assim, já que costumo de entediar quando as cenas eróticas são em demasia. Mas isso não significa que o livro não tenha sua pitada de romance; ao contrário, ele está sim presente, porém de forma sutil, mais evidente nas entrelinhas, e amei a maneira de como ele foi pouco a pouco construído e apresentado, por meio de olhares e sentimentos mascarados pelos próprios personagens.

Enfim, o livro entrou com certeza para o rol dos favoritos e só me arrependo de ter demorado tanto para conhecer a obra de Georgette Heyer. E agora estou louca para conhecer mais dessa autora tão talentosa.

A autora

Georgette Heyer nasceu em 16 de agosto de 1902, em Wimbledon. Quando morreu, aos 71 anos, tinha publicado mais de cinqüenta obras, traduzidas para dez idiomas, entre elas 11 histórias de detetive. As tiragens de seus livros variavam entre 60 mil e 120 mil exemplares - num período de recessão mundial em que não se podia recorrer a trens, jornais e correio. Apesar de nunca ter cedido à imprensa, suas obram sobrevivem. www.georgette-heyer.com

Avaliação (5/5)






B-jussssss! ♥
;-p

Comente com o Facebook:

8 comentários :

  1. Alessandra Salvia3 de abril de 2016 21:08

    Oi Nina!
    Sou a Ale do 'Estante da Ale' do grupo Sassenach's hahaha
    Já estou seguindo aqui para comentarmos tuuuudo, hein?
    Como eu amo romances históricos, já quero ler esse da Georgette, nunca li nada dela e me interessei por essa história.
    Beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi BFF!!
    Eu também sou uma apaixonada por romances de época então sou beeeeem suspeita! Só a capa já me conquistou e nem precisaria de mais nada, mas como sempre sua resenha e me encanta e assim aumento minha lista de desejados hahahhaha

    Beijokas

    ResponderExcluir
  3. Olá, já faz um tempinho que não leio nada do gênero, adorei a dica e a resenha!

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Oi, achei a capa do livro linda. E o nome faz jus a história também. Mas te confesso que romances de época eu gosto de ler esporadicamente para não enjoar.
    Mas fiquei curioso com o livro já que autora não é atual, então fica a curiosidade de saber como é a história dela e sua narrativa.
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. Oi Nina, sua linda, tudo bem?
    Essa capa está linda, tão delicada. Adoro romances épicos também. Gostei muito da personagem e do foco se o envolvimento dela na vida dos outros, acho que vai tornar a leitura bem divertida, posso imaginar o tipo de confusão que ela irá causar com esses planos dela, risos... Sua resenha ficou ótima, não vejo a hora de ler.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  6. Nina, eu sou apaixonada por romances de época.
    E já estava morrendo de ler esse livro, agora que você falou que ele é diferente do que estamos acostumados a ver minha vontade triplicou.
    Espero gostar tanto quanto imagino.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  7. Gislaine Oliveira12 de abril de 2016 10:20

    Oiii, tudo bem????

    Fico feliz que você tenha curtido :)

    Este até é um livro que me atraiu quando foi lançado, por causa da menina forte e tudo o mais. Mas confesso que romances de época não são meus favoritos, então não sei se eu leria :P

    Os valores da época, me incomodam muito, muito mesmo. Dos que li até hoje, poucos me agradaram e apenas porque tudo que era prezado na época, foi quebrado áo longo da história :3 Como em "O Morro dos Ventos Uivantes" e "Senhora". Beijooos

    ResponderExcluir
  8. Catharina Mattavelli12 de abril de 2016 15:15

    Olá
    poxa, que bom que curtiu tanto a leitura, não sou fã do gênero mas quem sabe eu de uma chance mais pra frente depois de ler tantos elogios ao livro hahaha linda capa

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados