Juntando os Pedaços - Jennifer Niven


NIVEN, Jennifer. Juntando os Pedaços. Tradução Alessandra Esteche. São Paulo: Editora Seguinte, 2016. 392 p. Título original: Holding up the universe. Skoob.

Sinopse
“Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso - até o dia em que ele encontra Libby.
Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.” 

Esse foi um dos livros que mais ansiei este ano, especialmente depois da Bienal de SP quando ouvi a história contada pela própria Jennifer Niven, durante o encontro de blogueiros da Companhia das Letras. Ela falou com tanta paixão do enredo que eu não via a hora de conhecer Jack e Libby.

Jack Masselin é literalmente o dono da escola! Bonito, popular e cheio de estilo, ele desfila pelos corredores com seu cabelo black power e sua bela namorada Caroline, sempre cercado de amigos que o adoram - o que ninguém imagina é que Jack não tem a menor de ideia de quem eles são. Ele tem uma doença neurológica chamada prosopagnosia que o impede de reconhecer rostos e por isso ele tenta decorar marcas das pessoas, como o cabelo, sinais de nascença ou gestos característicos. E é por isso também que ele mantém sua marra e se cerca de pessoas de quem não gosta: ele morre de medo que descubram sua doença e que comecem a humilhá-lo na escola. E por isso ele não termina o namoro com Caroline, mesmo ela sendo uma garota esnobe e fútil, e suporta as brincadeiras estúpidas dos amigos pois não sabe como se virar sem eles, então é mais fácil atuar, sorrir e fingir ser quem ele acha que as pessoas querem que ele seja.

Libby Strout tem 16 anos e já passou por muita coisa. Ela perdeu a mãe aos onze e depois disso não conseguiu se recuperar, engordou muito e chegou a pesar 296 quilos e a não conseguir mais sair da cama, precisando ser resgatada por um guindaste. Na época ela ficou conhecida como “A Adolescente mais Gorda dos Estados Unidos”. Agora, 136 quilos mais magra, Libby está voltando para a escola e está disposta a viver tudo o que perdeu - ela só precisa controlar a ansiedade e evitar um ataque de pânico! Mas já no primeiro dia, ela é vítima de uma brincadeira cruel - o Rodeio das Gordas - e vai parar na diretoria juntamente com Jack Masselin e uma amizade improvável vai nascer entre os dois.

Eu me apaixonei instantaneamente por esse dois! E tenho certeza que qualquer um que ler este livro vai sentir a mesma coisa. Jack e Libby são incríveis juntos, porque dentro de suas deficiências e traumas, eles realmente conseguem se enxergar como são. Jack faz pose de marrento, mas é inseguro e está sempre fingindo ser uma pessoa que não é, disfarçando seus medos e vulnerabilidade. Libby parece ser uma fortaleza, mas por dentro ela está desmontando e ninguém parece ver, somente Jack, justamente ele que não enxerga ninguém.

“Sei enxergar a beleza. Quanto mais simétrico o rosto, mais as pessoas parecem comuns para mim, porque tem uma mesmice nelas, mesmo que outros achem que são bonitas. A pessoa precisa ter algo único. O rosto da Libby é simétrico, mas não tem nenhuma mesmice. Eu a reconheço assim que abre a porta…” (p.212)

Eu fiquei impressionada ao saber mais sobre a prosopagnosia, uma doença que eu não conhecia e que é muito mais comum do que imaginamos, uma em cada cinquenta pessoas tem então com certeza alguém que conheço sofre disso e eu não sei. Provavelmente, alguém lendo essa resenha tem. Jack sofre demais com a doença, principalmente por não contar para ninguém, nem mesmo para a família. Mas por outro lado, ele aprendeu a ver as pessoas como elas realmente são, e não somente pela sua aparência e justo por isso ele consegue ver quem Libby é.

Outro ponto que me emocionou foi a maneira como Jennifer Niven tratou a gordofobia. Libby sofreu bullying a vida toda e foi preciso muito trabalho para que ela conseguisse se aceitar como é. Entretanto, mesmo que ela esteja bem consigo mesma, ela sabe dos olhares reprovadores, da cobrança e da repulsa que seu corpo causa na maioria das pessoas. Ela só quer ser aceita, só quer dançar e participar das atividades escolares como qualquer um, mas tudo o que recebe é hostilidade. E o pior é ver a pessoa incrível que Libby é, gentil, inteligente, alto astral e de bem com a vida, compreensiva e sempre disposta a ajudar até quem não conhece, e toda essa beleza deixando de ser vista porque não está dentro dos padrões que a sociedade impõe. É injusto. É triste. E eu senti uma angústia enorme por ela.

“Se alguém tivesse me falado quando eu tinha sete ou oito anos que ia ter que fazer isso, que nunca teria um descanso por mais que me sentisse bem comigo mesmo, eu teria dito: Obrigada, mas se não se importa, prefiro fazer outra coisa. O que mais tem para mim?
Sei o que está pensando: Se você odeia tanto isso, se é um fardo tão grande, emagreça, e seu problema estará resolvido. Mas estou confortável assim. Talvez eu perca mais peso. Talvez não. Mas o que as outras pessoas têm a ver com isso? Quer dizer, desde que eu não sente em cima delas, quem se importa?” (p.310)

A narrativa de Jennifer Niven é magnífica! Ela escreve com a alma nos dedos e eu chorei dezenas de vezes lendo, principalmente com a maneira com que ela descreve os sentimentos e angústias dos personagens. Chorei até com o texto de agradecimentos no final do livro, e admito para vocês que estou com uma dificuldade imensa para me despedir dos personagens. Estou com saudades dos diálogos, dos momentos que os dois tiveram juntos e da lição de autoaceitação e autoconhecimento que eles deram.

“ - É engraçado, não é? Apesar de estarmos basicamente sozinhos aqui dentro - ele bate no peito - , é muito fácil esquecer quem somos.” (p.319)

Esse com certeza foi um dos melhores livros do ano, se não for o melhor. Uma história tocante, com personagens apaixonantes e cheia de significados - eu nunca mais verei um biquini roxo sem pensar em Libby. E principalmente, com uma mensagem belíssima: “ALGUÉM GOSTA DE VOCÊ”.

A Autora

É autora de quatro romances para adultos - American Blonde, Becoming Clementine, Velva Jean Learns to Fly e Velva Jean Learns to Drive -, três livros de não ficção - The Ice Master, Ada Blackjack e The Aqua Net Diaries - e um livro de memórias sobre suas experiências no ensino médio. Apesar de ter sido criada em Indiana, hoje vive com o noivo e três gatos em Los Angeles, seu lugar preferido para andanças.


Avaliação (5/5) ❤






B-jussssss! ♥
;-p

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados