O Voo da Libélula - Michel Bussi


BUSSI, Michel. O Voo da Libélula. Tradução: Fernanda Abreu. São Paulo: Arqueiro, 2015. 400 páginas. Título original: Un avion sans elle. Skoob.

Sinopse
“Agraciado com 4 prêmios na França, entre os quais o Prix Maison de la Presse e o Prix du Roman Populaire, O voo da libélula teve seus direitos vendidos para 25 países e ganhará uma adaptação cinematográfica.
Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.
Numa época em que não existiam exames de DNA, o julgamento estende-se por muito tempo, mobilizando todo o país. Seria a menina Lyse-Rose ou Émilie? Mesmo após o veredicto do tribunal, ainda pairam muitas dúvidas sobre o caso, e uma das famílias resolve contratar Crédule Grand-Duc, um detetive particular, para descobrir a verdade.
Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado.
Após ler o diário, Lylie fica transtornada e desaparece, deixando o caderno com seu irmão, que precisará usar toda a sua inteligência para resolver um mistério cheio de camadas e reviravoltas.
Em O voo da libélula, o leitor é guiado pela escrita do detetive enquanto acompanha a angustiada busca de uma garota por sua identidade.”

Não faço segredos de que não sou fã de livros policiais. O clima de suspense sempre me angustia e detesto violência, assassinatos e coisas assim; acho que a vida real já está dura demais então sempre procuro ler coisas mais amenas. Mas isso sempre me incomodou um pouco, porque tenho tantos amigos que amam, elogiam demais o estilo e eu quero começar a ler também. Por isso, solicitei o Voo da Libélula para a editora Arqueiro, pois sabia que mesmo sendo uma trama policial, a história é mais leve e serviria perfeitamente para minha introdução no gênero. E não me enganei.

Depois da queda do Airbus que fazia a rota Istambul-Paris, em 22 de dezembro de 1982, a vida de duas famílias se viu totalmente abalada, e não só pela perda de seus parentes. A única sobrevivendo, uma bebê de três meses poderia ser tanto Lyse-Rose Carville quanto Émilie Vitral, e começa uma intensa batalha judicial para decidir sobre a identidade da criança. Sem saber como tráta-la, a imprensa começar a chamar a criança de Lylie, uma junção de Lyse com Émilie. Mesmo depois do veredicto, a dúvida ainda paira e o detetive particular Crédule Gran-Duc é contratado para tentar elucidar o caso. Ele tem dezoito anos para descobrir a verdade, não importa qual seja.

Mas passados os dezoito anos, ele não conseguiu chegar a conclusão alguma. Abalado emocionalmente, Gran-Duc está disposto a tirar a própria vida quando descobre a solução do caso no jornal do dia do acidente. Ele deixa toda sua investigação descrita em seu diário, que ele manda entregar para Lylie e logo depois é assassinado. A garota, ao ler o diário fica transtornada e desaparece e deixa o caderno com seu irmão Marc, que precisa refazer os passos de Gran-Duc para conseguir encontrar a irmã e descobrir sua verdadeira identidade.

Não dá para falar muito sobre a história porque não quero spoilers na resenha, mas são muitas as dúvidas que pairam na leitura, além da da identidade de Lylie. Quem matou Gran-Duc? Qual a relação entre Marc e Lylie? O que motivou os Carville a essa busca incansável pela verdade? O que realmente aconteceu a Pierre Vitral, avô de Émilie? É tanta coisa que a gente tenta entender durante a leitura que fica quase impossível largar o livro. Toda vez que fazia um intervalo na leitura, ficava elaborando teorias mirabolantes para solucionar o caso, e quase consegui!

A narrativa é intensa, mas bastante fluída, e se divide entre a busca de Marc pela verdade e o diário de Gran-Duc. Isso nos permite conhecer melhor todos os personagens, que são muito bem construídos. Entretanto, os primeiros dois terços do livro é meio arrastado e parece que nada acontece, enquanto o final é bem corrido e vocês sabem o quanto detesto quando isso acontece com os livros. O autor quis segurar o suspense até o fim e acabou errando um pouquinho a mão e a leitura se arrastou por mais tempo que imaginei.

Como livro introdutório para o universo do romance policial, acredito que esse livro cumpra bem o seu papel. Tem um suspense leve e uma trama relativamente fácil de solucionar. Mas quem gosta do gênero e está acostumado a esse tipo de leitura, imagino que vá se decepcionar um pouco. Mas mesmo assim não desestimulo a leitura, pois para mim que nunca curti o estilo foi uma experiência bem interessante.

O Autor

Michel Bussi já ganhou 15 prêmios literários e foi finalista de outras 9 premiações, tornando-se um dos mais prestigiados autores policiais franceses. Quando não escreve, atua como professor de geografia na Universidade de Rouen e como comentarista político.


Avaliação (3/5)





B-jussss! ♥
;-p

Comente com o Facebook:

9 comentários :

  1. Oi Nina, eu não conhecia o livro ainda, mas fiquei bem feliz de saber dele agora. Sou uma grande fã de romances policiais, com certeza vou atrás desse para ler :D

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Nina! Acho essa capa linda, coloquei ele na lista dos que pretendo ler! Amei a resenha.
    Abraços!
    http://coisasdeumleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina, fico muito feliz que você tenha sentido vontade de ler esse gênero que amo. E o amo justamente, por essa coisa que te prende e que te faz não largar o livro até desvendar tudo. Talvez o autor tenha sido falho em deixar tudo pro final, realmente. O bom é descobrir um pouco a cada capítulo. Mas nem sempre os romances policiais são sangrentos e cheios de morte, as vezes acontece uma morte no início e o resto é a parte misteriosa que seria desvendar o crime, por exemplo. Recomendo Harlan Coben, que foca mais nas sensações e no mistério do que no crime em si. Adorei a resenha e esse livro já está na minha lista. Bjs

    http://territorio6.blogspot.com.brrgunta.html

    ResponderExcluir
  4. Amiga olha para ser sincera eu também estou no momento de ler livros mais leves

    e eu comprei esse livro por causa disso, pois achei a sinopse bastante interessante e agora lendo a sua resenha me convenci de que posso ler tranquilamente, porque eu também não gosto muito dessas coisas de matança e tudo mais. Acho que pensamos iguais nesse sentido, porque já é tanta violência como vc disse que a gente já fica impressionado o que acontece na realidade, imagina na ficção né? Mas mesmo assim gostei de todo o mistério que aborda esse livro. Espero gostar e que não seja muito forte, porque estou com receio também de fazer a leitura. Se for me avise, porque gostaria muito de saber viu?! Parabéns pela sua resenha. Muito bem escrita =]

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/04/novidade-lancamento-minha-vida-dava-um.html

    ResponderExcluir
  5. OI Nina!

    Eu adoooooro esse tipo de livro!! Você tava falando bem do livro e eu fui ficando animada, mas no final você diz que quem gosta do gênero vai se decepcionar... Poxa, é um dos meus generos preferidos, espero não me decepcionar muito com ele, porque a sua resenha me deixou animadíssima *----*

    Beijos

    LuMartinho

    ResponderExcluir
  6. Linda já tem postagem nova em meu blog.

    Uma é sobre a parceria e outra uma resenha muito bacana que vale a pena conferir.

    Estou comentando em duas postagens hoje. Se vc atualizar eu virei retribuir seguidamente ok? =]

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/04/resenha-filhos-de-lilith-o-despertar.html

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/04/nova-parceria-editora-petit-e-editora.html

    ResponderExcluir
  7. Oi Nina!

    Apesar de nunca ter lido nada do gênero, sei que adoro porque meus filmes preferidos tem sempre esse toque de mistério e suspense, sabe?

    Adorei sua resenha, e gostei muito do livro, acho que serviria bastante para mim, que também quero entrar nesse gênero policial.

    Espero não solucionar tudo rápido demais quando ler, haha!

    Beijos

    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/2015/04/resenha-ligeiramente-maliciosos-por.html

    ResponderExcluir
  8. Nina, eu também não sou adepta do gênero policial, mas pelo que você falou na sua resenha acho que também daria uma chance para tentar me aventurar nesse gênero.


    Lisossomos

    ResponderExcluir
  9. Eu sou amante do gênero, adoro mistérios e apesar do que disse no final, irei por esse livro na minha lista. A trama parece interessante, e mesmo que não seja complexa comparada a outros livros do gênero, parece uma leitura agradável.

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados