Véu do Tempo - Claire R. McDougall


MCDOUGALL, Claire R. Véu do Tempo. São Paulo: Editora Jangada, 368 p. Título original: Veil of Time. Skoob.

Sinopse
“A medicação para a epilepsia mantém Maggie num estado permanente de torpor, mas não consegue aliviar sua dor por ter perdido a filha em decorrência da mesma doença. Com o fim do seu casamento e o filho mais velho num colégio interno, Maggie se muda para uma casa de campo nas ruínas de Dunadd, o local histórico que um dia foi a sede da realeza da Escócia.
Tudo muda em sua vida após uma convulsão, e Maggie desperta num vilarejo dentro dos muros da Dunadd do século VIII. Mesmo sem saber se isso é realidade ou apenas uma alucinação causada pela doença, ela é atraída pela presença de Fergus, irmão do rei e pai de Illa, uma menina que tem uma semelhança impressionante com a sua falecida filha. Mas, com as demandas do presente chamando-a de volta, conseguirá Maggie deixar para trás o príncipe escocês que já a chama de meu amor?”

Este ano tem sido cheio de novidades aqui no blog, e a maior delas foi ter passado na seleção de parceiros do Grupo Editorial Pensamento, me inscrevi sem pretensões e fiquei muito feliz por ter conseguido. Logo chegou o primeiro pacote e dentro dele veio, além de vários mimos, uma edição de Véu do Tempo e já vibrei de alegria. Vocês sabem o quanto amo viagem no tempo e logo associei a história de Maggie com a de Claire, de Outlander, e mergulhei na leitura cheia de entusiasmo. Claro que não esperava que o livro fosse igual à Outlander, e talvez por não ter criado tantas expectativas, consegui aproveitar bastante a leitura.

Maggie teve a vida devastada pela epilepsia, a mesma doença que tirou a vida da sua filha. Sem saber lidar com tanta dor, ele se fecha para família e acaba afastando o marido e o filho. Sozinha, ela se muda para o campo, para a cidade história de Dunadd, onde pretende pesquisar sobre a caça às bruxas que aconteceu naquela região durante a Inquisição e para isso, ela conta com Jim, um vizinho que lhe conta histórias antigas do lugar. Entretanto, as convulsões estão cada vez mais frequentes e um dia, logo após uma violenta crise, ela acorda no século VIII. Tudo então se torna muito nebuloso na vida de Maggie e ela não sabe mais se está sonhando ou se realmente se teletransportou para o passado.

No passado, ela conhece Fergus, o atraente irmão do rei, e sua filha Illa, que é incrivelmente parecida com a filha que Maggie perdeu. Não demora até que ela se apaixone por Fergus e deseje mais estar passado do que no presente. No tempo atual, a histórias de Jim se misturam às viagens que ela tem faz ao passado, e ela começa a temer que tudo não passe de alucinações.

Com as crises cada vez mais frequentes, Maggie tem uma cirurgia marcada que promete curá-la da epilepsia. Mas isso significa nunca mais poder voltar para Fergus e Illa, ao mesmo tempo em que, no presente, seu filho precisa dela e Maggie tem pouquíssimo tempo para decidir qual caminho seguir.

O livro é narrado sob a perspectiva de Maggie e os capítulos vão se alternando entre passado e presente. Com um enredo muito envolvente e uma narrativa leve e fluída, é difícil não se envolver com a história. Os personagens são muito reais e bem construídos, especialmente Maggie. Ela é uma mulher forte e que precisa enfrentar duas coisas diante das quais muita gente sucumbiria: a doença e a morte de um filho. E o pior é que ela ainda se culpa, porque acredita que é responsabilidade sua a doença que matou sua filha, que a menina herdou o problema dela. Ela ainda enfrenta o fim do casamento e distância do filho com muita resiliência e, quando tem a chance de reconstruir a vida e encontrar o amor, ela tenta encontrar o caminho que vá deixar o menor número de pessoas machucadas.

Me emocionei muito com a história, com os problemas e desafios que perpassam a história. É claro que as comparações com Outlander são inevitáveis, já que as duas obras falam de viagem no tempo, mas as semelhanças são bem poucas. E se você gosta desse tipo de livro, com certeza vai amar Véu no Tempo.

A Autora

Claire R. McDougall, natural da Escócia, formou-se na Universidade de Oxford e mora agora em Aspen, no Colorado, com a família. Depois de começar cedo como colunista de jornal, sua carreira em criação literária aventurou-se pela poesia e pelos contos até se estabelecer nos romances sobre o seu país de origem. Visite sua página na web: www.clairemcdougall.com

Avaliação (4/5) 






B-jussssss! ♥
;-p

Comente com o Facebook:

5 comentários :

  1. Kamila Villarreal3 de junho de 2017 22:56

    Olá!

    Não sou fã de Outlander, mas essa história me pareceu mais crível, me interessei mais por essa, então pode ser que eu dê uma olhadinha nela mais pra frente.

    ResponderExcluir
  2. Nathalie Louzada4 de junho de 2017 18:06

    Oii, tudo bem?
    Quando li a sinopse logo associei a história a Outlander tbm, e confesso que não sou muito fã de repetições em histórias. Mas acho que o diferencial desta é a epilepsia sa protagonista e o fato de ela não saber se o que tá acontecendo é real ou alucinação.
    Enfim.. Me interessei pelo livro e vou procurar pra ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina, tudo bem?

    Não conhecia o livro, mas já fiquei muito curiosa para conhecer essa história, pois me parece que ela é extremamente forte e linda. Eu comecei a ler Outlander e confesso que parei no início ainda, a quantidade de páginas me assustou.
    Eu adoro livros com viagem no tempo, então a possibilidade de eu gostar desta leitura é bem alta. Já quero ler e ver que decisão essa personagem que foi tão judiada da vida irá tomar!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Eita!
    Já gostei da sua associação com Outlander, também adoro viagens no tempo desde que li "O Mapa do Tempo" de J. D'Palma.
    Então é claro que vai pra lista.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Também sou super fã de histórias que envolvem viagens no tempo. Achei essa bem diferente por usar a epilepsia como catarse da viagem. Lembrei terrivelmente de Perdida (Carina Rissi) quando li que a personagem não queria mais voltar ao presente rsrs... Parece ser mesmo uma boa leitura! Anotado!

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados