Aos Dezessete Anos - Ava Dellaira


DELLAIRA, Ava. Aos Dezessete Anos. Tradução Lígia Azevedo. São Paulo, Editora Seguinte, 2018. 448 p. Título original: In search of us. Skoob. Comprar.

Sinopse

Em seu novo romance arrebatador, a autora de Cartas de amor aos mortos apresenta uma mãe e uma filha que precisam compreender o passado para poder seguir em frente.

Quando tinha dezessete anos, Marilyn viveu um amor intenso, mas acabou seguindo seu próprio caminho e criando uma filha sozinha. Angie, por sua vez, é mestiça e sempre quis saber mais sobre a família do pai e sua ascendência negra, mas tudo o que sua mãe contou foi que ele morreu num acidente de carro antes de ela nascer. 
Quando Angie descobre indícios de que seu pai pode estar vivo, ela viaja para Los Angeles atrás de seu paradeiro, acompanhada de seu ex-namorado, Sam. Em sua busca, Angie vai descobrir mais sobre sua mãe, sobre o que aconteceu com seu pai e, principalmente, sobre si mesma.

Sei que defini 2018 como o ano para sair da minha zona de conforto na leitura e me aventurar por novos estilos literários, e quem acompanha sempre o blog já percebeu que venho mesmo fazendo isso. Mas às vezes a gente sente uma saudade do confortável, né? E por isso me lancei na leitura de Aos Dezessete Anos, um romance juvenil bem no estilo que amo!

Aos dezessete anos, Angie quer entender melhor quem é e sua origem. Ela reconhece todo o esforço que sua mãe, Marilyn, fez e ainda faz para criá-la sozinha. Mas a mãe não entende. Ela não entende o que é ser uma garota negra filha de uma mãe branca e que não conhece o pai. Não entende o quanto ela sofre com o olhar das pessoas que estranham o fato de serem mãe e filha e tão diferentes e o que é enfrentar o racismo que todos fingem não ter.

A mãe lhe contou que seu pai e o irmão mais novo dele morreram em um acidente de carro antes dela nascer e Angie nunca pediu muitos detalhes porque sabe o quanto esse assunto a machuca. Ma um dia, ela encontra fotos de seu pai escondidas em uma gaveta e logo depois decobre que o tio está vivo e é um famoso diretor em Los Angeles, e Angie começa a imaginar que o pai também pode estar vivo. Assim, num rompante, ela pede uma carona para Sam, seu ex-namorado e que parece ainda sentir algo por ela, e parte em busca do pai e da história do seu passado.

Embora Marilyn não aparecesse em nenhuma foto, Angie sentiu que estava olhando para ela, através das lentes. As fotos eram a maneira como sua mãe via o mundo, e Angie se apaixonou por aquela versão dela escondida atrás da câmera.

Há pouco mais de dezessete anos atrás, Marilyn também tinha dezessete e era um jovem modelo. Ela nunca sonhou com isso, mas a mãe apostava todas as suas fichas no sucesso da filha e sonhava com o dia em que elas ficariam ricas e comprariam um belo apartamento. Mas o sonho de Marilyn era ir para a faculdade e trabalhar com fotografia. Mas como ela iria deixar a mãe para trás? Depois de tudo que viveram juntas e sabendo da fragilidade da mãe e da confiança que ela tinha nos seus sonhos de sucesso, como dizer que não queria nada disso? No entanto, no lugar do tão sonhado sucesso, as duas estão em péssima situação financeira e são obrigada a morar com um tio, mal humorado e rabugento que vive bebendo e jogando. 

Tudo o que Marilyn quer é terminar logo o ensino médio e fugir para a universidade que esteja o mais longe possível desse pesadelo, mas ela encontra sua paz no apartamento de baixo. James também tem dezessete, vive com os avós e o irmãozinho Justin e é tão belo, gentil e envolvente, que ela não consegue evitar se apaixonar, mesmo que no início James tente evitar. O que Marilyn não poderia imaginar é que seu primeiro e grande amor terminaria de uma maneira trágica, deixando-a sozinha e grávida.

Marilyn olha para o rosto da filha e pela primeira vez a vê nele - a garota que deixou para trás. Pela primeira vez enxerga que, para compreender Angie, precisa compreender a si mesma. Marilyn vai ter que deixar aquela garota entrar, seu próprio eu ao dezessete anos, ainda que destroçada pela dor, afogada pela culpa; vai ter que reaprender a amar aquela garota da mesma maneira que ama sua filha, ou perderá Angie com ela.

Aos Dezessete Anos é um livro incrível! O enredo traz temas muito polêmicos como racismo, alcoolismo, gravidez na adolescência, luto, relações familiares, autoestima, mas ao mesmo é leve e até divertido. Não que a autora trate tudo isso de forma leviana, mas ela o faz inserido na história e alternando com cenas mais amenas e divertidas, fazendo com que a leitura seja uma montanha russa de emoções.

A narrativa em terceira pessoa se alterna entre mãe e filha, enquanto Angie conta sua busca pelo pai e por si mesma, Marilyn narra do passado, contando a história de seu primeiro amor.  Assim vamos evoluindo na leitura esperando o momento para entender o que realmente aconteceu com James e como eles foram separados. E quando esse momento chega, é impossível não ficar em choque! Eu chorei muito!

Mas para quem conseguisse sobreviver, os ventos frios do leste logo se tornariam uma lembrança distante. Estaria em outro lugar, seria outra pessoa.
Ainda assim. O que a mente permite abandonar com o tempo, o corpo não esquece.

A escrita de Ava Dellaira é arrebatadora. Ela consegue ser poética e ir direto ao ponto ao mesmo tempo, por mais que isso parece contrastante. Seu texto traz muitas reflexões e metáforas sem ser arrastado, ou seja, eu devorei o livro! E quando terminou eu fiquei com aquela vontade de que tivesse mais páginas, para que não precisasse me despedir.

Enfim, eu amei! Um livro leve, intenso, poético e com cenas divertidas e de forte emoção, com certeza foi uma das melhores leituras do ano e que eu vou recomendar para todo mundo!

A Autora

Ava Dellaira é formada pela Universidade de Chicago e mestre pela Iowa Writers’ Workshop. Ela cresceu em Albuquerque, no Novo México, onde passou incontáveis tardes de verão fazendo poções mágicas, lutando contra bruxas más e se divertindo com outras brincadeiras inventadas, que provavelmente contribuíram para que se tornasse uma contadora de histórias. Atualmente vive em Santa Monica, na Califórnia, onde trabalha na indústria cinematográfica e escreve seus livros.

Avaliação (5/5)




B-jussssss!
;-p


11 comentários:

  1. Já reservei nos a ler!
    Esses livros que abordam assuntos tão sensíveis abordados na vida das personagens se aproximam bastante da realidade, ficamos cada vez mais ligados à história e sedentos por mais! Ainda mais com reflexões, amo esses livros!
    Fiquei curioso por saber o que de tão emocionante levou ao fim do relacionamento, já imagino muitas coisas...
    Ótima sugestão!
    Abraços 😊

    ResponderExcluir
  2. Oi Nina, tudo bem?
    Esse livro entrou para a minha lista de desejados e espero conseguir ler m breve (inclusive sua resenha só aumentou minha curiosidade). Quero ver como foi abordados tais assuntos =D

    Beijos
    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  3. Não sabia sobre este novo livro da autora, pois amei muuuuito Cartas de amor aos mortos.
    Achei legal como ela soube abordar o racismo de uma forma que toca bastante o leitor. Parece ser um livro emocionante e já estou cheia de expectativas.
    Adorei a resenha e a indicação.

    Beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Eu tenho um livro dessa autora, e ainda não li, mais gostei da resenha desse livro. Vou anotar a dica

    ResponderExcluir
  5. Esse livro está entre os meus desejados tem um tempão e espero ler o quanto antes! Não só por falar sobre a questão racial mas sim porque a escrita da autora é realmente boa. Fico feliz que a Companhia tenha publicado essa obra, definitivamente é transformadora.

    ResponderExcluir
  6. Nunca li nada da Ava e desde que esse livro foi lançado ouço muitos comentários maravilhosos a respeito do livro, o que tem me deixado bem curiosa.
    Eu adoro narrativas que são alternadas porque nos permite conhecer a história por outros ângulos e acho isso muito enriquecedor.
    Já sinto que vou me emocionar com a leitura!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi! Não sou muito fã de YA, mas eu gostei do enredo e gostei do fato de ser uma história forte e real! E realmente não tem vilão pior que a vida. Pra mim, o enredo se sobressai, por provocar no leitor a vontade de, juntamente com a Angie, também fazer descobertas acerca do passado da personagem, vivenciando as descobertas profundas. E, é isso que pode ser decisivo para a conclusão da trama. Obrigada pela resenha!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, Nina. Amei a sua resenha. Eu tenho a maior vontade de ler esse livro e gostei muito de poder conhecer um pouco mais sobre ele através da tua resenha.

    ResponderExcluir
  9. Oi Nina, sua linda, tudo bem?
    O primeiro livo da autora foi muito comentado, por isso quando esse foi lançado, fiquei com vontade de conhecer a escrita da autora por ele. Ultimamente tenho me apaixonado pelos livros da Seguinte que falam de relacionamentos familiares, e esse parece que vai ser mais um a me ganhar e me emocionar. Sua resenha ficou ótima!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Adoro esse estilo de leitura. Parece ser bem agradável! Ainda não li nenhum livro da autora, mas começar por este talvez seja uma excelente opção.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá Nina,
    Já tive contato com a narrativa da autora em outra obra e, apesar de ter gostado muito, não estou com muita vontade de ler esse livro. Eu sinto que, nesse momento, não vou tirar o proveito que poderia tirar dele, sabe? No entanto, não tenho dúvidas que a leitura é extremamente emocionante e fiquei muito contente que a autora tenha trabalhado temas tão complicados e necessários.
    É uma dica que vou anotar para um futuro, distante, por enquanto.
    Beijos

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p