Ligeiramente Maliciosos - Mary Balogh



BALOGH, Mary. Ligeiramente Maliciosos. Tradução: Ana Rodrigues. São Paulo: Arqueiro, 2015. 288 páginas. (Os Bedwyns, v.2) Título original: Slightly Wicked. Skoob.

Sinopse
“Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima.Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel. A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor.Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith.Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?Neste segundo livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos conquista com mais um capítulo dessa família que, em meio ao deslumbramento da alta sociedade, busca sempre o amor verdadeiro.”

Ligeiramente Maliciosos e o segundo livro da Série Irmãos Bedwyns, que começou com Ligeiramente Casados. Sinceramente, devo dizer que nunca pensei que gostaria de romances de época, quando eles se tornaram modinha entre leitores eu fui a primeira a torcer o nariz. Apesar de ser historiadora, esse estilo tem tantos clichês e tantas imprecisões que me incomodavam. Mas aí vem Mary Balogh e acaba com tudo o que pensei que sabia sobre romances históricos, ao trazer uma história tão diferente do que estamos acostumados no gênero.

A história já começa com o envolvimento de Judit e Rannulf, não tem enrolação - rapidinho os dois estão na cama, kkkk. E depois não tem nenhuma crise de consciência por parte dela, mesmo sabendo do peso que a virgindade tinha naquela época, Judith se entregou porque quis, porque sabia que aquela seria sua última oportunidade de experimentar o sexo e mergulha de cabeça na aventura. Isso porque a família dela está passando por graves problemas financeiros e ela é enviada para viver com uma tia rica e ser uma empregada de luxo para eles.

E esse foi outro ponto que eu gostei muito no livro: a crítica à sociedade da época que esta embutida no enredo. A família de Judith está em apuros porque o irmão mais novo dela vive levianamente em Londres, sem trabalhar e torrando todas as economias do pai, um modesto pastor. Mas em momento algum passa pela cabeça desse pai em corrigir o filho, afinal ele é homem tem todo o tempo do mundo para criar juízo, muito mais fácil sacrificar o futuro das filhas que são mulheres. Assim, o rapaz segue festando como se não houvesse amanhã, enquanto suas irmãs são martirizadas. É gritante a diferença de tratamento entre homens e mulheres no livro, reflexo da sociedade machista da época.

Outra crítica está na futilidade da época, personificada em Jullianne, a prima de Judith e pretendente a noiva de Rannulf. Ela só tem cabeça para vestidos, festas, cortejos e títulos, o que infelizmente é visto como o comportamento ideal de todas as moças daquela época. Ainda bem que não nasci naquela época!

Outro ponto positivo que vi no livro foram as várias reviravoltas que a história dá. Quando a gente pensa que enfim está tudo bem, mil coisas acontecem e nos enchem com novas emoções. Isso já ocorreu no primeiro livro, mas nesse segundo foi bem mais evidente, portanto, imagino que essa característica seja uma constante na série, e eu vou adorar!!!

Enfim, o livro é uma delícia de ler! Uma mocinha forte e corajosa, um mocinho mulherengo mas super apegado à família, personagens secundários bem desenvolvidos e as melhores vovós literárias que já conheci. E tudo isso permeado por um romance envolvente de tirar o fôlego. Recomendo demais!

Série Os Bedwyns

A autora


Mary Balogh nasceu e foi criada no País de Gales. Ainda jovem, se mudou para o Canadá, onde planejava passar dois anos trabalhando como professora. Porém ela se apaixonou, casou e criou raízes definitivas do outro lado do Atlântico. Sempre sonhou ser escritora e tinha certeza de que, no dia em que escrevesse um livro, ele seria ambientado na Inglaterra do Período da Regência. Quando sua filha mais nova tinha 6 anos, Mary finalmente encontrou tempo para se dedicar ao antigo sonho. Depois de três meses escrevendo na mesa da cozinha, a primeira versão de sua obra de estreia estava pronta. Publicada em 1985, deu a Mary o prêmio da Romantic Times de autora revelação na categoria Período da Regência. Em 1988, depois de vinte anos de magistério, ela passou a se dedicar apenas aos livros. Hoje Mary Balogh é presença constante na lista de mais vendidos do The New York Times e vencedora de diversos prêmios literários.

Avaliação (5/5)






B-jussssss! ♥
;-p

Comente com o Facebook:

9 comentários :

  1. Eu sempre achei que esse era primeiro livro... como sou lerda!!! Eu também tinha essa impressão sobre livros de época, mas adorei saber mais sobre esse e fiquei morrendo de vontade de ler, pois gostei muito da temática e da personagem. Bjs

    Território nº 6

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho bastante interesse de ler esse livro, mas eu ainda não o comprei, porque tenho alguns que estào na frente na minha lista sabe? Mas mesmo assim estou bastante interessada na história, porque já li várias resenhas positivas e gostei da maneira como você abordou tudo sobre a história. Espero gostar também. Adoro personagens que sejam envolventes e um livro que tenha uma narrativa fluida também. Espero que seja assim =]




    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-brilho-em-busca-de-um-novo-mundo.html


    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-seducao-morta-lenda-de.html

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina!

    ADOREI a sua resenha, ela passa tudo o que eu senti lendo o livro, mas que não saberia descrever com palavras.

    Confesso que quando li o livro, a estória foi tão envolvente que eu não parei para pensar nesses critérios críticos da sociedade na época, mas concordo com tudo o que você falou (exceto por não querer ser daquela época, haha).

    Amei o livro do começo ao fim. Nunca tinha lido um romance de época, e esse foi uma ótima escolha para me aprofundar no gênero.

    Beijos

    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/2015/05/05-um-mundo-chamado-discussao-elenco-sa.html

    ResponderExcluir
  4. Déborah Araújo20 de maio de 2015 19:23

    Nina, eu AMO romances de época e eu queria muito o primeiro para poder pedir o segundo e ler na sequência, me disseram que não é necessário, mas eu prefiro.

    Lógico que eu amei o enredo e me apaixonei pelos personagens que você falou.

    Por que essa séries tem que ser tão gigantes??? hehhee
    Beijinhos!


    Lisossomos

    ResponderExcluir
  5. Nina seu blog é um amor, fico impressionada com a quantidade de conteúdos e sua organização, queria eu conseguir ser assim no meu blog rsrsrs


    Mas parabéns moça, estou adorando isso aqui

    ResponderExcluir
  6. Luciana Martinho20 de maio de 2015 19:51

    OI Nina!

    Já tô vendo que vou ter que pegar essa série linda pra ler!! Já tinha gostado dele em outras resenhas que não se aprofundavam nessa parte das críticas a sociedade e a diferença de tratamentos e agora que você abordou esse ponto, fiquei apaixonada, já quero!!

    Beijos

    LuMartinho

    ResponderExcluir
  7. Ei Nina


    Este livro é muito amor, adorei a leitura.
    Realmente, não tinha pensando nessa critica embutida que a autora faz, é tão normal ver esse machismo nos romances de época que nem me atentei para o foco maior nisso. Até mesmo a irmã, a maior prejudicada, fica arrumando desculpas para o irmão. Cabeça de vento demais ele rsrs. E aquela prima, credo, que preguiça das partes com ela rsrs.
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi Nina!
    Esse será uma das minhas próximas leituras \o/

    Bjks!

    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Nina!
    Também adorei o livro e a participação das vovós do casal, dificilmente as avós tem destaque nos romances, não é? Essa autora tem um jeitinho especial de escrever suas histórias, estou cativada :)
    P.S. Aquela primeira proposta de casamento me lembrou o Mr.Dacry rsrsrs... Beijos... Elis Culceag.

    www.arquivopassional.com

    ResponderExcluir

Oi! Muito obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário, vou adorar receber!
B-jussss! ♥
;-p

Frase da Semana

"Ler é comer e beber. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come."

Victor Hugo

QUEM LÊ, SABE PORQUÊ - Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados